Diverso

Aos 64 anos, ela teve gêmeos e as autoridades a desqualificam como mãe. Ela está preocupada.

Aos 64 anos, ela teve gêmeos e as autoridades a desqualificam como mãe. Ela está preocupada.

Para qualquer mulher que anseia ser mãe, materializar este sonho é o momento mais feliz da sua vida, o fato de poder criar vida no seu ventre é uma obra completa, digna de admiração, mas aos 64 anos de idade isso pode se tornar algo complicado, já que pode gerar muitos conflitos jurídicos.

Este é o longo caminho que Mauricia Ibáñez teve que percorrer, passando 4 longos anos nos corredores e escritórios dos tribunais da Espanha desde que sua capacidade de criar esses bebês indefesos foi posto em questão.

“Eu me preocupo todos os dias da minha vida com o fato de não saber o que poderia acontecer com meus bebês, eles são tão indefesos, inocentes de tudo, isso não é justo”.

 Publicidade

A conexão que se cria entre um filho e uma mãe começa no momento em que está gestando, cada chute preenche sua alma e no nascimento, esse primeiro contato é incomparável, é algo que você só experimenta uma vez na vida. Ver aquele ser que se formou em seu ventre crescer a cada dia é um dom divino e infelizmente Mauricia não poderá vivê-lo, pois foi declarada “mulher inadequada” para criar seus legítimos filhos.

Mauricia ficou muito feliz com sua primeira gravidez, anos atrás, onde deu à luz uma linda menina. Isso ficou gravado em sua memória e ela queria reviver essas emoções e sensações e foi por isso que ela viajou para os Estados Unidos para participar de um tratamento de fertilidade e conseguiu engravidar de gêmeos.




Aos 64 anos, dá à luz a Gabriel e María de la Cruz e é aí que começa o árduo trabalho dos serviços sociais neste país e investigam a fundo este caso, submetendo Mauricia a inúmeros julgamentos onde foi demonstrado apesar de sua grande defesa de que os bebês se encontravam em notável “situação de vulnerabilidade”.

Aos 69 anos, ela diz que está “devastada e traumatizada” pela decisão do tribunal de prender seus filhos e entregá-los aos pais adotivos.

O tribunal garante que esta é a melhor decisão para o bem-estar e o bom desenvolvimento de ambos os bebês.

Partilhe esta publicação e deixe-nos a sua opinião sobre a mesma, se considera que a decisão dos tribunais espanhóis é correcta ou se, pelo contrário, estão a causar traumas a estes bebés e à sua mãe.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

4 Comentários

  1. Ana Maria de Aguiar e Almeida Ramos disse:

    É um absurdo! Como pode um país de primeiro mundo ter um caso como este de destituir a maternidade? Minha mãe tinha 51 anos qdo eu nascí viveu até os 94 foi uma mãe melhor do q muitas q conhecí.

  2. Jaqueline disse:

    Nossa que país sem noção, como pode tirar o direito de uma mãe que gerol seus filhos com tato amor no ventre afff sem comentários eu moveria ceus e terra pois é direito da mãe, caso ele tivesse algum distúrbio ai tudo bem algum familiares ajudar mas isso não tem explicação

  3. Cassia Bastos Da Mata disse:

    O país sem noção ela gerou,ela q tem criar as crianças

  4. Rosa Quaglio disse:

    Absurdo está atitude dela ser incapacitada para ficar com os filhos!
    Qual foi a atitude da outra filha mais velha??
    Só poderiam fazer isso se ela estivesse maltratando as crianças ou deixando de alimentar eles.
    E nesse caso alguém da família poderia ficar com as crianças e não colocar e lar adotivo!
    Incrédula com está atitude!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.

Este site usa cookies e outras tecnologias similares para lembrar e entender como você usa nosso site, analisar seu uso de nossos produtos e serviços, ajudar com nossos esforços de marketing e fornecer conteúdo de terceiros. Leia mais em Política de Cookies e Privacidade.