Histórias reais

Mulher adotou um bebê que foi abandonado em frente a sua casa há 44 anos, ela o acolheu como um filho

Mulher adotou um bebê que foi abandonado em frente a sua casa há 44 anos, ela o acolheu como um filho

Uma mulher em Assunção, Paraguai, encontrou uma criança recém nascida abandonada na rua. Ela decidiu adotá-lo e deu-lhe uma vida cheia de amor e oportunidades.

Em 1977, Edith encontrou uma criança abandonada na frente de sua casa, embrulhada em uma trouxa de pano. Ele era muito pequeno e seu rosto a tocou.

Essa mulher de 27 anos soube imediatamente que precisava protegê-lo. A primeira coisa que fez foi levá-lo ao médico, que após avaliá-lo e fazer alguns exames, disse que ele tinha uns três dias de vida. Ele o adotou e lhe deu uma família.

44 anos se passaram e o menino, a quem deu o nome de David Decoud, cresceu e se tornou um profissional de sucesso. Ele é engenheiro de som e ama sua mãe adotiva com sua alma.

Veja também:  "Eu limpo meu quarto, lavo a louça": menino que está em um orfanato há 1 ano pede para ser adotado

David conta como descobriu sua própria história. Durante seus primeiros anos, ele ficou desconfiado, porque seus colegas de escola o achavam diferente de seus pais e do irmão mais velho.

Aos 12 anos, ao sair da escola, resolveu confrontar a mãe a respeito. “Perguntei se era seu filho, porque todos sempre me disseram que não eram meus pais”, conta.

Edith contou-lhe uma meia verdade e disse-lhe que era adotado, mas disse-lhe que o tinha escolhido num hospital: ela não achou apropriado contar-lhe ainda como fora abandonado. Ele ficou satisfeito com a resposta, pois tinha todo o amor de sua família.

 Publicidade

Toda a verdade veio a ele doze anos depois. Aos 24, durante um churrasco em família, um de seus tios disse que ele teve muita sorte pela forma como o encontraram. Ele perguntou surpreso e soube da história verídica de como havia chegado à família Decoud.

Veja também:  Mulher defende seu estilo de vida onde vive para servir ao marido: “Para ser honesta, não quero trabalhar”

Ele reconhece o amor recebido. À mãe, diz ele, sempre expressa seu carinho: “Sempre digo a ela o quanto a amo e o quanto lhe agradeço por tocar para mim”, diz. E adicione:

“Eu sou o que sou graças a minha mãe e meu pai, que foram meus anjos na terra.”

44 anos depois disso, David se dedica a ser engenheiro de som. Segundo ele, nunca faltou nada, já que tanto Edith quanto sua família sempre o apoiaram ao longo de sua vida. “Os pais que adotam o fazem porque têm um grande coração e amor incondicional”, encerrou David.

Com informação amomama/upsocl

 Publicidade

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.