Curiosidades

Conheça o “sol artificial” de fusão nuclear da China que produzirá energia limpa

Conheça o “sol artificial” de fusão nuclear da China que produzirá energia limpa

A China estabeleceu um novo recorde. Seu “sol artificial”, que é um reator de fusão nuclear, aqueceu 120 milhões de graus Celsius. Como resultado, superou seu próprio recorde e espera poder produzir a quantidade de energia limpa que quiser.

O país asiático ativou seu projeto de reator experimental mais poderoso há alguns meses atrás, o chamado “sol artificial”. Notícias locais dizem que este reator, que é chamado de “Tokamak”, pode suportar temperaturas mais altas do que seu ponto de ajuste anterior por alguns segundos.

Tokamak é uma peça de um projeto maior que visa criar vários “sóis artificiais” em um esforço para encontrar uma maneira de produzir um suprimento ilimitado de energia, algo que está em alta demanda nos dias de hoje.

Por tentar simular os processos naturais de fusão nuclear que ocorrem nas estrelas e no sol, recebeu o apelido de “sol artificial”. Se esse objetivo fosse alcançado, a quantidade de energia supostamente renovável que poderia ser produzida seria ilimitada. Pelo menos, é o que os cientistas que participaram da pesquisa afirmaram ser suas descobertas.

O reator em forma de anel é uma câmara de confinamento magnético que gera energia semelhante à encontrada no Sol. Uma forma de gás hidrogênio deve ser aquecida a temperaturas de mais de 100 milhões de graus Celsius para conseguir isso. Os ímãs gerenciam uma fina nuvem de plasma criada pelo gás até que os átomos finalmente se inflamem e liberem enormes quantidades de energia.

Para atingir tal feito, as temperaturas necessárias para a fusão nuclear devem primeiro ser alcançadas, e esse é o problema real. Com seu “sol artificial”, a China atingiu uma temperatura de 120 milhões de graus Celsius por 101 segundos, a China parece estar a caminho de atingir sua meta. Apesar disso, conseguiu atingir uma temperatura de 160 milhões de graus Celsius por apenas 20 segundos.

“O sucesso do experimento estabelece as bases para a China construir sua própria usina de fusão nuclear”, disse Song Yuntao, diretor do Instituto de Física de Plasma da Academia Chinesa de Ciências.

A indústria de energia de fusão nuclear é altamente controversa. Embora haja um grande campo que a defende, outro setor não concorda. Mais do que tudo aos grandes desafios que este tipo de geração de energia enfrenta. Os ‘sóis artificiais’ funcionam apenas em condições extremas de altas temperaturas. Então, às vezes, o custo dos recursos para manter essas condições muitas vezes supera a energia que se obtém delas.

Em contrapartida, gera muita controvérsia devido à confusão entre energia de fusão e fissão nuclear. A maioria dos reatores nucleares usa fissão para obter energia, mas usinas desse tipo são duramente criticadas por seus resíduos radioativos. Quanto à fusão nuclear, as opiniões estão divididas.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.